Gaeco pede prisão preventiva de quadrilha que furtava carga de trens


policiasgaloes

Todos os 40 suspeitos já estão presos, mas preventivamente.

Esquema foi desmontado na semana passada, em Santa Adélia.

Do G1 Rio Preto e Araçatuba

Promotores do Gaeco (Grupo de Atuação Especial de Combate ao Crime Organizado do Ministério Público) pediram à Justiça que 40 pessoas, suspeitas de integrar uma quadrilha de roubo a cargas de trem na região noroeste paulista, tenham a prisão preventiva decretada. Todas já estão presas desde a operação – que aconteceu no dia 6 deste mês -, mas preventivamente, e o prazo que elas fiquem na cadeia, venceu na última sexta-feira (15).

Durante a operação, 25 mil litros de combustível foram recuperados e mais de 40 pessoas foram presas, entre elas, seguranças da empresa que opera os trens, que teriam colaborado para ações, além de empresários e produtores rurais, que agiam como receptadores. Foram expedidos 59 mandados de prisão e 65 mandados de busca e apreensão. Mais de 250 policiais militares deram apoio à operação.

Segundo a Promotoria, o crime acontecia na linha férrea em sete cidades: Ariranha (SP), Catanduva (SP), Fernando Prestes (SP), Sales (SP), Santa Adélia (SP), Palmares Paulista (SP) e Pirangi (SP). No ano passado, a Polícia Civil já tinha aberto outra investigação para apurar os furtos de carga de soja. Na época, várias pessoas foram presas. A polícia não descarta a possibilidade de relação entre as duas quadrilhas. A ação era praticamente a mesma: os bandidos também aproveitavam a parada dos trens para colocar lonas na linha férrea, romper os lacres dos vagões e levar milhares sacas de soja.

Durante o cumprimento dos mandados, foram apreendidos vários equipamentos usados para os crimes como pás, sacos para soja e milho, galões, além de uma bomba, que era utilizada para retirar o combustível dos vagões. Um caderno com as anotações que também foi aprendido mostrava que a quadrilha vendia o litro do combustível pela metade do preço que é cobrado em postos.

Um caminhão carregado com toneladas de grãos foi deixado para trás pelos ladrões, que fugiram durante abordagem. Em outra ação, a polícia encontrou um caminhão com um tanque adaptado carregado com mais de quatro mil litros de óleo diesel.

Em nota, a ALL, responsável pela malha férrea, diz que vinha colaborando com as investigações da polícia e aguarda a conclusão da operação.

Segundo as investigações, o alvo dos criminosos eram vagões carregados com combustível e grãos.

De acordo com a polícia, o esquema era realizado com a ajuda de seguranças da empresa que opera os trens. Eles avisavam os horários das composições e assim, os criminosos tinham acesso facilitado para o crime, quando estouravam os lacres dos vagões e furtavam usando mangueiras e bombas.

Depois disso, o material era estocado em casas de integrantes da quadrilha por um período curto, depois era distribuído na região e na própria cidade, sendo vendido para propriedades rurais e empresas.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s