MP cobra na justiça R$ 4 milhões de ex-diretores do Metrô e da Alstom


Ação aponta irregularidades em aditamentos de contrato firmado em 1989. Alstom diz que não foi notificada.

Alstom

O Ministério Público Estadual ajuizou ação civil pública de responsabilidade por ato de improbidade administrativa contra quatro ex-diretores do Metrô, quatro diretores da Alstom e contra a empresa Alstom Brasil Ltda. De acordo com a ação, dois aditivos firmados ilegalmente causaram prejuízos aos cofres públicos de R$ 4 milhões. A multinacional francesa disse que ainda não foi notificada.

O MP pede que a Justiça declare nulos os dois aditamentos e condene todos os que assinaram os termos aditivos ao ressarcimento integral do dano e à perda dos bens ou valores acrescidos ilicitamente ao seu patrimônio.

O MP aponta irregularidades em dois aditivos a um contrato assinado em julho de 1989 entre o Metrô e a Alstom (então CMW Equipamentos Ltda.) para fornecimento e instalação do sistema de sinalização e controle de movimentação de trens para a extensão Norte, da Linha Norte-Sul, e Extensão Leste, da Linha Leste/Oeste.

Segundo a ação, o dano aos cofres públicos corresponde ao lucro obtido pela Alstom, já que deveria ter sido realizado processo licitatório que permitiria proposta mais vantajosa para a administração pública, visto que o contrato foi firmado em 1989 e os aditamentos mais gravosos foram firmados em 1997 e 2005.

O Metrô informou que não foi notificado oficialmente sobre a ação e ressaltou que o contrato e seus aditivos foram analisados e julgados regulares pelo Tribunal de Contas do Estado. Segundo o Metrõ, atualmente, novos contratos para extensões de linhas existentes também farão uso da dispensa de licitação, já que a Lei 8.666 prevê a dispensa de licitação para casos como este.

Em nota, a companhia informou que, para o prolongamento de linhas já em operação, é necessário que os sistemas de sinalização e controle do novo trecho sejam os mesmos instalados na linha preexistente e caso outro fornecedor implante os sistemas de sinalização e controle no novo trecho, não há como garantir a compatibilidade das tecnologias, o que irá prejudicar a operacionalidade e funcionalidade das linhas.

Segundo o Metrô, na hipótese de outro fornecedor vir a fornecer os sistemas do novo trecho, para solucionar o problema de incompatibilidade tecnológica, os sistemas de todo o trecho preexistente deverá ser substituindo ou, então, todos os trens que operam na linha deverão ter embarcadas as duas tecnologias. “Essas alternativas tornam a proposta de qualquer outro fornecedor (que não aquele da linha preexistente) economicamente inviável. Exatamente pela lógica exposta, a prática de se manter o mesmo fornecedor nas extensões de linhas já existentes tornou-se um padrão mundial”, diz a nota.

De acordo com a nota, em 1989, com a definição do prolongamento da então Linha Norte/Sul entre Santana e Tucuruvi e da implantação da Extensão Leste até Guaianases, houve a necessidade de implantação dos sistemas de sinalização e controle de movimentação de trens nestes novos trechos. O contrato inicial foi celebrado em 1989 e seguiu as recomendações do Decreto-Lei 2.300, legislação vigente à época. A atual Lei de Licitações (8.666) foi sancionada posteriormente, em 1993.

Do G1 São Paulo

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s