Os fantasmas do Metrô em dia de Copa


Diário do Povo mostra quem são as pessoas que, por opção ou obrigação, tiveram de encarar os vagões das linha

A estação Consolação às 14h28 e às 16h / Leo Martins/ Diário SP

A estação Consolação às 14h28 e às 16h / Leo Martins/ Diário SP

Por: Filipe Sansone

Às 15h, a maior parte das estações do Metrô da capital estava abarrotada de passageiros, sobretudo as que fazem interligação com outras linhas do próprio Metrô, da CPTM e da EMTU. Uma hora depois, no entanto, enquanto os jogadores do Brasil cantavam o hino nacional ao lado dos mexicanos, o cenário era totalmente diferente: corredores vazios e trens com muitos lugares para sentar.

Os que tinham de trabalhar tentavam dar um jeito de saber o placar do jogo. Os dois seguranças da Estação Sé, no Centro, que auxiliavam os poucos passageiros que saíam dos vagões, aproveitaram para perguntar à reportagem se o Brasil estava ganhando.

“Está sendo um inferno. Entramos às 14h e vamos até às 23h”, disse um deles, que pediu para não ter a identidade revelada. “Independentemente do jogo, seguimos a escala normal de trabalho e já tivemos de encarar o horário de pico, das 14h às 15h30”, reclamou o outro.

A atendente de telemarketing Andreia Nunes Ferreira, de 17 anos, estava, às 16h30, na Estação Vergueiro da Linha 1- Azul. “Minha equipe não cumpriu a meta esperada e tivemos de ficar até as 16h. Trabalho na Estação São Judas e moro em Mauá, na Grande São Paulo. Acho que vou chegar só às 19h em casa. Perdi o jogo, mas pelo menos peguei o Metrô vazio.”

A assistente administrativa Ellen Medeiros, 25, estava, às 16h10, com uma peruca verde e amarela dentro do Metrô na Estação Consolação da Linha 2 -Verde. Enquanto isso, a seleção já corria há dez minutos atrás da bola em Fortaleza. A meta dela, quando saiu do trabalho, às 15h, era conseguir chegar às 16h em São Bernardo, onde mora.

“Saí às 15h, mas fiquei 40 minutos parada no ônibus até chegar à Estação Faria Lima (da Linha 4 – Amarela). Vou ver se consigo chegar para o segundo tempo.”

O pedreiro Sandro Rafael, 27, trabalha em Santana, na Zona Norte, e mora em Jandira, na Grande São Paulo. Às 16h50 ele estava na Estação Marechal Deodoro, da Linha 3-Vermelha, para tentar chegar até a Barra Funda e pegar um ônibus para casa. Nem no rádio ele acompanhava o jogo.

Na correria, meninas fazem a maquiagem na plataforma

Como não tiveram tempo para fazer a maquiagem antes de saírem da Estação Consolação, a designer Lilian Kozemekin, de 22 anos, e a estudante Aline Spina, 23, resolveram pintar os rostos com faixas de verde e amarelo ali mesmo. Depois, partiram para um bar na Rua Augusta, onde assistiram ao jogo. “Eu vim do trabalho na Vila Mariana e a Aline veio de casa na Saúde”, conta Lilian. “A gente se encontrou aqui no Metrô para facilitar.” Ao lado, uma centena de pessoas passava apressada para ainda tentar assistir ao confronto contra os mexicanos em uma televisão.

Perto dali, na Estação Liberdade da Linha 1 -Azul, já no meio do jogo, o metalúrgico Marcos Paulo, de 24 anos, voltava da primeira visita à sobrinha, que acabara de nascer. “Ela está em um hospital perto da Estação Paraíso. Agora vou voltar para Osasco, onde moro, e tentar pegar o segundo tempo”, disse Marcos.

Mobilidade urbana é problema desde que BH sediou a primeira Copa


Para enfrentá-lo, a prefeitura investiu em bondes fechados. Após 64 anos, o Move desponta como nova aposta

Gustavo Werneck | O Estado de Minas/Sindicato dos Ferroviários

Mobilidade-bh-1

1º TEMPO – Antes da Copa de 1950, a administração da capital iniciou o alargamento da Avenida Santos Dumont…

Dois meses antes da Copa do Mundo de 1950, a primeira linha de bondes fechados começou a correr nos trilhos de Belo Horizonte – coincidência ou não, situação semelhante ocorreu recentemente, com a implantação do BRT/Move nos corredores das avenidas Cristiano Machado e Antônio Carlos. Até 1950, os bondes eram veículos abertos, com dezenas de passageiros de pé nos estribos, sem segurança.

Continue lendo a matéria….

Mobilidade-bh-2

Bonde de Santa Teresa, RJ, não ficará pronto na Copa, apesar de promessa


Em 2011, acidente deixou 6 mortos e mais de 50 feridos. Obra deve ser concluída no segundo semestre, segundo Governo.

Do G1 Rio | Sindicato dos Ferroviários da Zona Sorocabana

Bonde de Santa Teresa

A promessa do governo estadual de entregar o bondinho de Santa Teresa antes da Copa do Mundo não será cumprida. As obras só devem ficar prontas no segundo semestre deste ano, como mostrou o RJTV desta terça-feira.

Em teste, o veículo terá freios novos e uma nova engrenagem, mas vai preservar o estilo do transporte original.

O primeiro trecho da viagem deve começar a funcionar em agosto, entre os Arcos da Lapa e o Largo do Curvelo. A tarifa ainda não foi revelada. No entanto, moradores devem pagar um valor inferior ao dos turistas.

O transporte não funciona desde 2011, quando um acidente deixou seis mortos e 57 feridos.

Promessa
Em novembro do ano passado, o governo do estado anunciou, na página da subsecretaria de comunicação social, que a primeira fase das intervenções para as obras do bonde de Santa Teresa estaria pronta até o fim de março desse ano. Desde então, moradores realizaram diversas manifestações contra a demora nas obras.

Expresso da Copa será testado no próximo domingo


Expresso da CopaNo próximo domingo será testado o chamado “Expresso da Copa”, onde um serviço de trem será disponibilizado para os torcedores se locomoverem entre o centro de São Paulo até a Arena Corinthians, no bairro da Itaquera.

O “Expresso Copa” entra em circulação duas horas antes da abertura dos portões do estádio e percorrerá o trecho a estação da Luz e Corinthians-Itaquera sem nenhuma parada em 19 minutos. Partindo da Luz sairão, portanto, um trem direto e um com paradas, alternadamente a cada quatro minutos.

Clique aqui e continue lendo a matéria