Expresso de Trens da CPTM será substituído por serviço Intercidades


#trem

O fato que tomou conta do noticiário sobre mobilidade nesta terça-feira (25) em jornais, com grande repercussão nas redes sociais e fóruns especializados foi o arquivamento de 32 propostas de Parcerias Público Privados, das quais nove estão sob o guarda-chuva da secretaria de Transportes Metropolitanos.

Entre os serviços estão os projetos de trem expresso planejado pela CPTM: Expresso ABC, o Expresso Bandeirantes e o Expresso Jundiaí. De acordo com nota do Governo Estadual, os três projetos citados “foram arquivadas por concorrer com a proposta de Trens Intercidades, que foi aprovada e terá estudos aprofundados”.

Segundo ainda o Governo do Estado, os demais projetos como as linhas 19 e 20 do Metrô não estão excluindo, mas serão revistos, “cuja execução pode ser feita de forma mais eficiente e menos onerosa para o contribuinte”.

A respeito do Trem Intercidades, o projeto foi anunciado ainda na gestão do ex-governador Jose Serra, e ganhou força na gestão do ex-secretário de Transportes Metropolitanos, Jurandir Fernandes, nomeado pelo atual Governador Geraldo Alckmin.

Em 2014, Jurandir disse ao Via Trolebus que empasses entre o Governo Estadual e a prefeitura de Campinas acabaram por atrasar o projeto. “jogamos na lata do lixo 5 anos por fatos como a prefeitura de Campinas que só queria o TAV (Trem bala). Quando Geraldo Alckmin assumiu, a nossa proposta era fazer um trem regional complementar ao TAV. Apareceu um grupo que topou pegar tudo, só que o projeto deles não era o mesmo do nosso.” – disse o ex-secretário. (relembre a entrevista)

Em contato com a CPTM, a companhia disse que o projeto foi apresentada para o Governo Estadual pelas empresas BTG Pactual e EDLP – Estação da Luz Participações, e contempla a construção de infraestrutura, implantação de equipamentos e sistemas e compra de material rodante (trens) para operar uma rede integrada, abrangendo Sorocaba, São Paulo, Baixada Santista, Campinas e Taubaté.

Autor Renato Lobo // Via Trolebus

Anúncios

Sem previsão de início das obras dos Trens Regionais


Renato Lobo | Via Trolebus

Korail_KTX-2

A volta dos trens regionais ligando a capital paulista a municípios do interior do estado ainda não tem data certa. A última previsão de inícios das obras era para este ano, com a entrega para 2017.

Reportagem do portal G1 conta que o Governo Estadual evita dar prazos sobre os trens intercidades. De acordo com a CPTM, a Manifestação de Interesse da Iniciativa Privada (MIP) das duas empresas está em análise pelo Conselho Gestor das Parcerias Público Privadas (PPP´s) do governo estadual.

O projeto contempla infraestrutura, implantação de equipamentos e sistemas, material rodante, e abrangendo, além de Sorocaba, Santos, Mauá, São Caetano do Sul, Santo André, Jundiaí, campinas, Americana, São José dos Campos e Taubaté.

Segundo o conselho, de responsabilidade da Secretaria de Governo, o Estado aguarda um retorno da Agência Nacional de Transportes Terrestres (ANTT) para dar continuidade ao projeto, já que os trilhos passariam em grande parte do trajeto, ao lado de trens de cargas, que estão na faixa de domínio do governo federal.

Por outro lado a ANTT nega o conhecimento dos documentos. “Não recebemos nada sobre esse projeto”, informou a assessoria do órgão.

Trem intercidades aguarda por aval federal


trem intercidadesO secretário de Transportes Metropolitanos, Clodoaldo Pelissioni, empossado ontem no cargo em substituição a Jurandir Fernandes, afirmou que espera a liberação das faixas de domínio da extinta Rede Ferroviária Federal para poder deslanchar a implantação do trem intercidades, que irá ligar as regiões metropolitanas de Campinas, Vale do Paraíba, São Paulo e Santos. Assim que for autorizada, afirmou, o governo lançará o edital da parceria público-privada (PPP) para que o trem, com velocidade média de 120 quilômetros por hora, possa ligar as quatro regiões.

Matéria relacionada: O Trem como solução para o Estado de São Paulo

Continuar lendo

Do trem a vapor ao megaveloz


No Reino Unido, a velocidade ferroviária chegou com o Eurostar, e, na Espanha, com o AVE, um ex emplo de luxo

Por Vivian Oswald | Agência O Globo

Ponte de arcos faz parte do trajeto do Al Andalus, na Espanha

Ponte de arcos faz parte do trajeto do Al Andalus, na Espanha

A história das ferrovias se mistura com capítulos importantes da história do Reino Unido. No início do século XIX, os ingleses criaram as primeiras locomotivas a vapor para transportar munições e carga. Em 1830, foi registrada a primeira ferrovia de que se tem notícia no mundo. A novidade mudou a cena do país, pavimentando as bases do desenvolvimento e da Revolução Industrial e acelerando como nunca o crescimento econômico. As transformações mudaram o modo como as pessoas viajavam e se comunicavam.

Continuar lendo

Trem de Jundiaí a SP é opção para campineiros


Mais barata, alternativa ferroviária também pode evitar congestionamentos

Estação de Jundiaí #noticiaferroviaria

A linha de trem que opera desde 1867 e liga Jundiaí a São Paulo funciona como opção para quem precisa chegar à Capital, tem tempo e quer se livrar do risco de congestionamentos e do trânsito caótico na maior cidade do Brasil. A alternativa é a única via férrea do Interior, enquanto a proposta do trem metropolitano não sai do papel. Projetado para chegar até Campinas em 2020, com ponto final em Americana, o trem regional ainda não teve o edital lançado, devido a um impasse com o governo federal. Enquanto isso, a viagem ferroviária entre Jundiaí e a Capital é mais barata, leva 90 minutos, passa por 18 estações e tem passagem a R$ 3,00. Os trens partem da estação de 15 em 15 minutos. No percurso total, de Campinas à Capital, a viagem de carro pode ficar até três vezes mais cara.

Continuar lendo

Candidato a Deputado fala sobre seu Trabalho pela volta do Trem de Passageiros


Abaixo assinado CPTM - 7 de setembro de 2011 (209)

O senhor é vereador em Valinhos e desde 2011 integra um movimento para retorno do trem de passageiros. O que consiste este movimento e que cidades seriam atendidas?

O movimento que faço parte pede o retorno dos trens regionais para todo o Estado, por acreditarmos que o transporte ferroviário é a única forma de desafogar as rodovias paulistas e oferecer uma melhor mobilidade urbana em todo o Brasil.

Para a região de Campinas, especificamente, pedimos a extensão dos serviços da Linha 7 – Rubi da CPTM até Campinas, atendendo os municípios de Jundiaí, Louveira, Vinhedo, Valinhos e Campinas, com posterior interligação a demais municípios, como Americana e Sumaré.

 Saiba mais: O Trem como solução para o Estado de São Paulo

Opinião do Jornal “O Estado de S. Paulo”: Trens regionais


#embarquenessetrem

Estudos que indicam para breve a saturação das Rodovias Bandeirantes e Anhanguera levaram o governo do Estado a apressar a construção do sistema de trens regionais ligando a capital ao interior. Ela começará com uma linha entre São Paulo e Americana, com 135 km de extensão. O edital para esse primeiro trecho do sistema deve ser lançado no ano que vem e a conclusão da obra está prevista para 2020. É de esperar que dessa vez o governo cumpra a promessa, feita pela primeira vez no ano passado, de começar a tirar do papel esse projeto, que é da maior importância para o Estado.

Continuar lendo